Postado por: Equipe JMBR no dia 03/01/18 nas categorias Notícias

John Mayer e o comediante Dave Chappelle fizeram uma série de apresentações em pequenas casas dos Estados Unidos durante o ano de 2017. O show consiste em sets de stand up de Dave, músicas em versões acústicas do John (incluindo trechos de covers) e a interação dos dois amigos no total no improviso. Quem assistiu garante que o show é divertido e único. Além da presença e comentários positivos de fãs e celebridades, o sucesso dessas apresentações eventualmente ecoou pela internet e mais três datas foram adicionadas antes do final do ano: 29, 30 e 31 de Dezembro (essa última para comemorar o ano novo e em uma casa de espetáculos grande de Los Angeles, a The Forum).

A querida fã americana Karri (que esteve no Brasil para conferir os shows do John e escreveu uma resenha emocionante pra gente) marcou presença nos três shows em Los Angeles. Traduzimos alguns trechos retirados do review dela. Vale lembrar que Dave Chappelle proibe o uso de celulares nas apresentações, por isso não esperamos que surjam videos desses shows.

No post você também vai ver o video com a participação do John e do Dave no transmissão da virada de ano do canal de notícias CNN (com apresentação do “mais que amigos, friends” Andy Cohen e o jornalista Anderson Cooper).

DIA 29 DE DEZEMBRO:
(Review por Karri)

Acho que nunca dei tanta risada na minha vida. O set do Mayer foi curto e doce. Ele sentou em um banco atrás de um microfone com um quadro do seu lado e uma guitarra no seu colo. A primeira música foi In The Blood acústica com gaita. Moving On And Getting Over teve um groove diferente. Eu gostei! Foi difícil para mim sentar no meu lugar durante todo o set. Ninguém levantou então dancei e cantei no meu lugar de qualquer maneira. Ele disse algo sobre como a próxima música seria a sua versão de música dos anos 80 e as primeiras notas de Love On The Weekend começaram! Inclui a frase “I hate you’re fucking guts b/c I’m loving every minute of it.”

(…)

Dave Chappell apareceu e contou algumas piadas e então o John Mayer apareceu. E foi então que a mágica aconteceu. Mayer pode tocar praticamente qualquer música no impulso, incluindo “All Stars” do Smash Mouth e “One Week” das Barenaked Ladies. Covers que eu achei que nunca ouviria ele tocar. E não é porque ele fez cover delas que elas se tornam automaticamente do meu gosto. Fomos presentados com “Footloose” e “Purple Rain.”

(…)

Enfim, a noite terminou com eles cantando a música de encerramento do Barney (o grande dinossauro roxo) “I love you, You love me.” Me diverti muito e mal posso esperar para fazer tudo de novo no sábado a noite!

Setlist (de músicas próprias)

In the Blood
Moving On & Getting Over
Love on the Weekend
Waiting on the World to Change


DIA 30 DE DEZEMBRO:

(…)

Tem sido divertido ver Mayer tocar no improviso! “Africa” do Toto apareceu mesmo sem ninguém saber a letra. Mayer também tocou Van Halen e Guns n’ Roses. Gostei das piadas sobre o Michael Richards enquanto Mayer tocava o tema de Seinfeld no violão! Sou uma grande fã de Seinfeld!

Setlist (de músicas próprias):

In the Blood
Moving On & Getting Over
Love on the Weekend
Free Fallin’
Waiting on the World to Change.


DIA 31 DE DEZEMBRO:

(abertura do comediante Jeff Ross)

(…)

Ele cantou e tocou “More Than Words.” Mayer mandou um “Patience” do Guns-N-Roses, o que me trouxe de volta a 2004 quando ele tocou no show de Tampa! Ele até tocou um pedacinho de “Gravity” dizendo que sabia que ia errar.

Durante “Purple Rain” o cara que tocava gaita para o Prince há alguns anos atrás (e que estava nesses 3 shows e arrasou com o Mayer) notou que o Stevie Wonder estava na platéia e então aconteceu. Stevie cantou “I Wish” em sua cadeira enquato Mayer tocava do palco. Eu enlouqueci! O quão insano é isso!?

Dave queria cantar com a platéia nos últimos 6 minutos de 2017 então todos cantamos “Killing Me Softly with His Song.” Daí contamos regressivamente até 2018 e confetis e balões cairam do teto. A filha do Dave subiu ao palco enquanto Mayer dançava desajeitado pelo palco! Eu também dancei sozinha! Então ele começou a tocar guitarra.

Terminamos com a música do Barney e esse meus amigos, foi o final de três noites de Controlled Danger! Devo dizer que gosto de shows pequenos, eles são mais intimistas e pessoais e “sujos”! Mas eu não estaria em nenhum outro lugar e com nenhuma outra pessoa além do Mayer!

Desejo a todos um feliz e saudável 2018! Espero ve-los em algum show!

Karri

Setlist (de músicas próprias):

Exatamente o mesmo da noite anterior (mais trecho de Gravity).


DIA 31 DE DEZEMBRO – CNN:

E agora, o video do John e do Dave na CNN. Um pequeno resumo com os principais temas:

Os dois explicam como é o show Controlled Danger (JM: “é como estar em um quarto, em uma festa, onde algumas pessoas se reunem para se divertir” – DC: “é como estar em um piano bar muito caro”). Dave também explica porque celulares não são permitidos, alegando que assim eles podem ter mais liberdade e se arriscar nas piadas – um risco que muitas celebridades não querem ter. John adiciona que a ausência de celulares faz com que a experiência seja de coração honesto, sem ter que se preocupar como vai soar se for repetida mil vezes online.

O que incomoda o John em shows? Quando a pessoa da primeira fileira vira de costas para ele para poder bater uma selfie enquanto ele está tocando uma música no palco (JM: “estou cantando com a minha alma e coração enquanto estão me usando como cenário de papelão. Em futuros shows, não vire as costas para o artista se estiver na primeira fileira!”).

Quando Andy pergunta qual a melhor música de 2017, John responde que é DNA de Kendrick Lamar.

A conversa é divertida.